Sumos vermelhos para dar cor ao sangue

Beterraba: aquele vegetal que por mais voltas que lhe dê parece-me que irá sempre saber a terra molhada, mofo ou bafio. Mas dizem que “faz bem ao sangue” e por isso tive que arranjar uma forma de a conseguir ingerir.

Tal como nos anos anteriores, no início de Dezembro fui à colheita de sangue que acontece sempre na minha aldeia no dia 8, mas desta vez não pude contribuir. A razão: hemoglobina inferior ao valor mínimo para efetuar a dádiva. Não muito inferior, mas ainda assim o suficiente para não poder dar sangue.

Ora, eu sempre ouvi dizer que a beterraba é muito benéfica para o sangue, sendo rica em ferro, e quando é ingerida em simultâneo com uma fonte de vitamina C, a absorção do ferro é mais eficaz. Por isso, enquanto esperava pelo resultado das análises (de rotina) ao sangue que faço todos os anos, decidi que poderia experimentar um sumo de beterraba, pois talvez fosse mais fácil assim do que “come-la à dentada”.

1 cenoura
1/2 beterraba
1/2 maçã verde
sumo de limão q.b.

Descasquei a cenoura, a beterraba e a maçã e coloquei na máquina que separa a polpa do sumo (não sei se têm algum nome específico) e, no fim, juntei umas gotas de sumo de limão.

E pronto. Foi só isto. O limão ajuda a cortar o sabor intenso da beterraba e nem foi necessário adicionar açúcar porque a cenoura já é meio doce.

Num outra dia experimentei colocar os ingredientes no liquidificador para não desperdiçar a polpa, mas não gostei do resultado final. A textura era muito espessa, sabia muito mais a beterraba e como custava mais “a descer” acabei por adicionar um pouco de açúcar. Dessa vez, como tinha utilizado a mesma quantidade de fruta e vegetais, acabei por ficar com um maior volume final e por isso fiz gelados para aproveitar as sobras.


Entretanto recebi o resultado das análises e não tinha falta de ferro. Ainda assim bebi mais meia dúzia de vezes o sumo que afinal até nem sabia mal.

Anúncios