E no dia seis celebramos os reis com as prendas para o menino…

Como vem sendo habitual, não foram só as decorações de Natal que foram caseirinhas. Este ano (ou, mais corretamente, no ano que passou), apesar de ser em menor número que no ano anterior, algumas das prendas que ofereci foram caseirinhas.

No início do mês de Dezembro fiz uns pequenos testes que dei a provar, a uma ou outra pessoa, para não correr o risco chegar aos dias que antecedem o Natal e ficar sem prendas para oferecer porque aquilo que tinha idealizado não estaria a correr da forma como seria suposto.

Assim, depois de ter os testes aprovados, fiz chocolates brancos e negro, com sementes de abóbora, sementes de girassol, amêndoas, coco ralado, bolinhas coloridas e amendoins.



Fiz também gomas de vinho com vinho branco Lezíria e tinto da Adega de Pegões, sendo que esta era a prenda que, no início, tinha mais incerteza se o resultado final seria algo apresentável e, sobretudo, comestível. E sim, esta talvez tenha sido a prenda “uau” deste ano, competindo assim com as canecas e os cocós de rena e dos anos anteriores.


Este ano houve novamente caracóis de Inverno que, apesar de não serem uma novidade por aqui, aproveito agora para partilhar a receita, até porque quando precisei dela no dia 24 já nem me lembrava onde a tinha ido buscar inicialmente.

500g de farinha
240g de manteiga
300g de açúcar
2 ovos
20g de chocolate em pó
2 colheres de chá de extrato de baunilha

Numa tigela misturei a farinha, o açúcar, os ovos e a manteiga aos poucos, amassando bem até a massa estar bem ligada.

Dividi a massa em duas partes iguais, numa misturei o chocolate em pó e, na outra, o extrato de baunilha, fazendo duas bolas de massa, as quais envolvi em película aderente e deixei repousar no frigorífico por uma hora.

Passada essa hora, estendi as duas massas, formando um retângulo com cada, coloquei uma por cima da outra e, do lado mais comprido, comecei a enrolar como se de uma torta se tratasse.
Por fim, cortei em rodelas com cerca de 1 cm de largura e dispus num tabuleiro com papel vegetal reutilizável, levando ao forno (pré aquecido) a 180ºC, durante cerca de 15 minutos.

(Devem estar a reconhecer a fotografia, pois já foi publicada aqui da primeira vez que fiz os Caracóis de Inverno. Com a azáfama do momento, esqueci-me de tirar fotografias aos deste ano.)

Todas as prendas caseirinhas mereceram etiquetas caseirinhas condizentes, sendo que no próximo Natal todas as prendas levarão etiquetas caseirinhas (ou outras que encontrei pelo Pinterest), pois o stock quase interminável de etiquetas que tenho desde os anos 90 parece estar finalmente a chegar ao fim.

Anúncios

Outono, abóboras e bolachas

Quando chega o Outono e, mais concretamente, do Dia de Ação de Graças (talvez mais conhecido por Thanksgiving) a página dos feeds da minha conta no Pinterest enche-se de tons de laranja, vermelho e castanho, artesanatos com folhas secas de árvores, perus, tartes e abóboras. Foi então que numa das minhas “buscas por inspiração” perto desta data, no ano passado, encontrei lá uma receita de bolachas de abóbora, aveia e pepitas de chocolate com um óptimo aspecto.

Como, por algum motivo, ainda não a tinha partilhado aqui, achei que podia ir buscar esta caseirísse ao “baú”, uma vez que nos encontramos em vésperas de Dia de Acção de Graças.

Em Dezembro/Janeiro, quando as abóboras chegaram lá a casa decidi então experimentar a tal receita. No que concerne o aspecto, devo dizer que as minhas ficaram aquém da imagem que acompanhava a receita, mas estavam bem saborosas.

E ainda consegui arrecadar um “da próxima vez que fizeres estas bolachas diz-me, que eu compro amendoins para misturares na massa e assim ficam a 100%” por parte do meu pai, o que até é um bom elogio, partindo do princípio que ficaram boas o suficiente para repetir.

E assim deixei duas notas mentais para a próxima vez que fizer estas bolachas:
– juntar amendoins;
– a textura e consistência são as ideais para quem gosta de bolachas e biscoitos mais moles. No meu caso, que prefiro mais rijos e crocantes, talvez terei de alterar o tempo de cozedura no forno ou as quantidades de ingredientes secos.

2 + 1/2 chávenas de farinha
1 + 1/2 chávenas de aveia
1 colher de chá de fermento
3/4 colher de chá de sal
1 + 3/4 colher de chá de canela
1/4 colher de chá de noz moscada
1/4 colher de chá de gengibre
1 chávena de manteiga
1 + 1/3 chávena de açúcar
1 Ovo
1 colher de chá de extrato de baunilha
1 chávena de polpa de abóbora
1 chávena de pepitas de chocolate

Numa tigela juntar os ingredientes secos: o açúcar, a aveia, a farinha, o fermento, o sal, a canela, a noz moscada e o gengibre. Depois de bem mexido adicionar a manteiga, a polpa de abóbora previamente cozida, escorrida e já à temperatura ambiente, os ovos e o extracto de baunilha.

Por fim, adicionar as pepitas de chocolate, retirar pequenas porções da massa e dispor em “montinhos” num tabuleiro forrado com papel vegetal, colocando no forno (já aquecido a 275ºC) durante cerca de 15-20 minutos.

Bolachas no dia da criançada

Como é de conhecimento geral, no passado Domingo foi Dia da Criança e, como passei a semana toda com vontade de fazer bolachas, dediquei uma parte da minha tarde de Domingo com, literalmente, a mão na massa. Aproveitei então para estrear um cortador “rolante” (se é que o posso chamar assim) que, no mês anterior, uma aluna da minha mãe ofereceu-lhe no dia do seu aniversário.

Pessoalmente gosto das bolachas caseiras com um tamanho pequeno, mas cá por casa a preferência é pelas bolachas grandes, por isso acabei por usar também outros cortadores mais pequenos.

Como a minha vontade era apenas em fazer bolachas e não tinha um tipo de bolachas específico em mente, recorri ao livro “200 receitas bolos e bolachas” em busca de uma receita que rendesse o suficiente a fim de ter bolachas para a minha mãe dar à aluna, para levar para os meus lanches no trabalho e também para comermos em casa. Acabei por não seguir fielmente nenhuma das receitas que lá estavam, mas sim adaptar uma delas. Assim, inspirada na receita de bolachas de amêndoa, acabei por fazer umas bolachas de canela, sem amêndoas e com várias alterações à receita original. Misturei/amassei todos os ingredientes numa tigela, estiquei a massa, cortei e, como exagerei um pouco na canela, acabei passar a face de cima das bolachas por açúcar antes de as colocar no forno.

Ingredientes (e quantidades que acabei por utilizar):
375g de farinha
100g de açúcar
150g de manteiga (derretida)
1 ovo
canela

bolachas canela5

E o que tem tudo isto a ver com o Dia da Criança? O facto de, regra geral, as crianças gostarem de bolachas e mexer em massas “estranhas” para mim é suficiente 😛