O pequeno upgrade da cozinha

Depois da última publicação estive em obras na cozinha (e depois disto fui de férias, daí a tremenda ausência). Pequenas remodelações ou adaptações que agora a tornam mais prática. Andei a fazer contas e já vão para 4 anos que vivo sozinha, ou seja, são 4 anos com o fio do esquentador pendurado. Shame! (como diria a senhora de Game of Thrones).

Passo a explicar. Há 4 anos, comprei o meu esquentador, o armário onde este seria instalado (e onde esteve instalado o esquentador anterior) não estava preparado para receber um com sistema de ventilação e por isso não possuía uma tomada. Na altura, liguei-o à tomada mais próxima, situada a meio do balcão da cozinha, servindo de solução (supostamente) temporária. O tempo passou e a solução “temporária” permaneceu durante os 4 anos que referi.

Outra coisa que queria mexer na cozinha era a iluminação artificial. Até ao momento tinha apenas um candeeiro simples com duas lâmpadas fluorescentes tubulares no centro do tecto da cozinha. Isto significa que, de noite, sempre que lavava a loiça no lavatório, ou preparava alguma coisa no balcão eu própria fazia sombra ao local/plano de trabalho.

Assim, este ano verão, ainda antes das férias e como prenda de anirversário, tornei a minha cozinha um pouco mais funcional, escondendo o fio do esquentador, instalando uma luminária led sobre o balcão onde faço a preparação da comida e instalando um candeeiro led para iluminar o lava-loiças, acabando por libertar a tomada onde anteriormente ligava o esquentador.

(a cozinha antes das alterações, de dia, com a luz desligada; depois das alterações, de noite, só com os candeeiros novos ligados; depois das alterações, de noite, com todos os candeeiros ligados)

A parte eléctrica não é bem o meu forte, entendo alguns conceitos base, mas não muito mais do que isso. Por isso, como não quis arriscar rebentar com a rede eléctrica da casa, o meu pai ficou com as ligações eléctricas enquanto eu fiquei com a concepção das soluções e servi de assistente dele durante a instalação (passar alicates, chaves, direcionar a luz de apoio, posicionar o aspirador no momento de fazer furos, etc.).

A solução que aplicámos passou por instalar também uma tomada tripla (escondida) no armário do esquentador, a qual estão agora agora ligados o esquentador e os dois novos candeeiros, libertando assim a tomada do balcão e de forma a chegar facilmente ao interruptor do candeeiro de cima (interruptor este que tivemos de acrescentar, pois o que vinha de origem fica no topo do armário, junto ao candeeiro, e portanto não seria fácil de utilizar).

(antes e depois)

Assim, para alimentar a nova tomada, tivemos de colocar um cabo eléctrico (tapado com uma calha) da tomada do balcão até junto do esquentador, passado por dentro do armário. Como imediatamente acima da tomada existente tinha um suporte de papel de cozinha, retirámos um dos parafusos de fixação à parede, rodámos o suporte a 180º e furámos e colocámos o mesmo parafuso no novo local, sendo que o furo anterior ficou totalmente tapado pela calha.

Esta pequena obra de upgrade interior acabou por durar dois dias (ou duas noites, mais precisamente), pois tive de ir a “correr” ao AKI, no Retail Park em Coina (por ser a loja que fecha mais tarde aqui na zona), para comprar uma tomada nova para o balcão. A existente já estava um pouco ressequida, com os seus cerca de 20 anos, e foi-se partindo aos poucos à medida que íamos mexendo e tentado adicionar os novos fios eléctricos. Aqui é que as coisas se complicaram, uma vez que já não se encontram tomadas iguais às restantes da cozinha, mas optei por uma o mais parecida possível (a 3ª da foto).

Entretanto surgiram mais algumas ideias de pequenas alterações na cozinha, mas, para já, estas já me deixaram satisfeita.

E nos entretantos…

Tenho andado ausente nas escritas aqui pelo blog, mas um pouco mais activa no Instagram e também no meu cantinho de trabalhos caseiros. Até porque as minhas actividades caseiras, desde a última publicação aqui, não têm tido uma grande história por detrás delas. Por isso desta vez trago um “resumo” do que tenho andado a fazer.

Então, como já partilhei na página do Facebook e na conta do Instagram, ofereci à minha sobrinha, pela Páscoa, uma régua, em madeira, para marcar a sua altura ao longo dos anos. Como não queria decorá-la com motivos muito infantis, acabei por misturar algumas ideias do que fui encontrando pela Internet, pintando vários espaços, todos diferentes, para ao longo do seu crescimento anotar vários marcos da sua vida, como, por exemplo, quando apareceu o primeiro dente, a primeira palavra que disse, quando deu os primeiros passos, os passeios que fez, etc.

Portanto, daqui a primeira parte já está feita. Agora falta apenas começar a preencher e pregar à parede.

Também envolvendo o quarto da pequena, eu e a minha irmã decorámos a parede do quarto dela na manhã do dia 25 de Abril. A logística foi mais elaborada do que possa parecer à primeira vista, pois para além de colar todas as peças que formavam o desenho (algumas com a ajuda da minha sobrinha, que também quis participar) houve muita brincadeira em simultâneo, caso contrário todo este processo tornar-se-ia demasiado aborrecido e impaciente para a habitante do quarto.

Também andei pela cozinha e experimentei fazer algo com abacate pela primeira vez. No fim de semana em que fui ao Algarve, comprei uns abacates a um produtor local e, com os que estavam mais maduros fiz uma massa de atum e abacate, modéstia à parte, deliciosa. Eu, que não gosto de atum, comi, repeti e ainda enchi a marmita para o almoço do dia seguinte.

Quanto aos caroços dos abacates que usei, tirei-lhes a casca, espetei uns palitos e coloquei cada um num frasco com água para ver se germinam.

Ah! E por falar em plantas, as minhas orquídeas já floriram. A branca está carregada de flores, a amarela tem duas flores abertas, um pé novo e várias flores por abrir e as 3 que transplantei, em anos anteriores, têm folhas novas. Entretanto, não resisti e, numa ida ao hipermercado comprei a orquídea cor de vinho, resgatando-a assim de uma morte lenta à entrada do estabelecimento.

No último fim de semana, mesmo com todos os acontecimentos que existiram, ainda arranjei tempo para pintar mais uma fita académica, para a bênção de finalistas, e um mini-livro com uma receita de limonada para oferecer a um grandioso fã de Beyoncé que faz anos precisamente nesta data. Claro que lhe ofereci também um livro “a sério” (sobre um assunto um pouco diferente), mas o primeiro foi mais pela piada da coisa, porque: nº 1, é um grande fã de Beyoncé; nº 2, recentemente a Beyoncé lançou um livro intitulado “How to make lemonade” (como fazer limonada) e apesar de saber que ele iria adorar tê-lo, o preço saia um pouco (muito) do meu orçamento. E por isso juntei o melhor de dois mundos: Beyoncé e trabalhos manuais 😛 (carregando nas fotografias em baixo dá para ler um pouco melhor)


Massa de atum e abacate:

2 colheres de sopa de azeite
1 cebola roxa pequena
2 dentes de alho
3 latas de atum
1 lata de milho doce
Massa espiral q.b.
2 abacates pequenos (ou 1 abacate grande)
100 ml de natas para culinária
Leite q.b.
Queijo ralado q.b.
Sal e pimenta q.b.
Tomilho q.b.

Numa panela cozi as massas em água e sal. Depois de cozidas, transferi-as para um escorredor e na mesma panela refoguei, em azeite, a cebola roxa às rodelas e os dentes de alho picados. Em seguida juntei o atum bem desfiado, o milho, as massas, as natas, os abacates cortados em pedaços e temperei com pimenta.

À medida que ia mexendo, as natas começaram a engrossar e por isso fui juntando um pouco de leite, o suficiente até ficar com uma consistência cremosa, nem muito espessa, nem muito líquida.

Por fim servi com queijo ralado e tomilho.

Entretanto aproxima-se o 3º aniversário da Carolina Caseirinha e já sei o que vou fazer para assinalar esta data, mantenham-se atentos, porque um novo pequeno projecto surgirá 😀

Mais uma receita para os amigos vegetarianos (e para os não vegetarianos também)

Experimentei uma receita nova: quinoa rice (numa tradução, muito básica, será algo como arroz de quinoa). Já a tinha guardado numa das minhas pesquisas no Pinterest para as ocasiões em que recebo à mesa alguém vegetariano ou para servir de acompanhamento a um peixe ou bife grelhado e acabou por se verificar as duas situações. Ou seja, experimentei este prato porque ia receber uma vegetariana à mesa e, como ainda não sei controlar muito bem a quantidade de quinoa (e não queria que ninguém passasse fome), acabei por fazer quantidade suficiente para a refeição completa de 4 pessoas e, com o que sobrou, ainda deu para servir de acompanhamento a peitos de frango para 3 pessoas no dia seguinte.

Além de fácil e rápida, esta receita torna-se muito apetecível para o tempo de Verão, que cada vez mais se aproxima, pois sabe igualmente bem se for servida quente ou à temperatura ambiente.

2 chávenas de chá de quinoa
4 chávenas de chá de água
Sumo de limão q.b.
4 colheres de sopa de azeite
1 cebola
3 dentes de alho
200g de cogumelos frescos
½ brócolo
1 curgete
2 cenouras
1 lata de milho
3 ovos
Molho de soja q.b.
Sal e pimenta q.b.
(atenção que estas quantidades são as que usei, por isso alimentam 7 a 8 pessoas, dependendo da capacidade/nível de apetite de cada um :p )

Num tacho, coloquei ao lume a quinoa e a água, temperei com um pouco de sal e deixei cozinhar até a quinoa aumentar de tamanho e ficar sem água.

Numa panela grande, coloquei o azeite, a cebola picada e os dentes de alhos picados para refogar. Em seguida juntei os brócolos cortado em pedaços, a curgete aos cubos, os cogumelos laminados (aproveitei para dar uso à caixa para cortar legumes que recebi no Natal 🙂 ) e deixei cozinhar, mexendo um pouco. Um pouco antes de estarem completamente cozinhados, juntei a cenoura e o milho e mexi.

Entretanto a quinoa ficou “no ponto”, apaguei o lume e reguei-a com um pouco de sumo de limão.

À parte, numa frigideira fiz os ovos mexidos. Misturei a quinoa na panela dos legumes e em seguida os ovos cortados em pedaços, finalizando com um pouco de molho de soja enquanto envolvia todo o conteúdo da panela.

Lá por casa, quando servi a acompanhar com os bifes, o único comentário que recebi foi do meu pai, que disse “sabes só o que falta aqui?”, ao qual respondi de imediato “amêndoas, não é?” e ele validou a minha resposta. Por isso, já sei que, da próxima vez terei de juntar também um punhado de amêndoas para acrescentar o “factor crocante” a esta receita.

(Esta última fotografia nem foi tirada com o propósito de vir para o blog, mas sim para fazer “pirraça” às companheiras de crossfit que partilham as fotos do jantar depois do treino nos dias em que o meu jantar é peixe cozido. Ainda assim, aproveitei para partilhar aqui também, já que foi a refeição onde a quinoa rice serviu de acompanhamento)

“Going natural” com as minhas plantas

Ultimamente ando muito ativa no que respeita a experimentar coisas que me aparecem nos feeds do Facebook. Desta vez andei pela cozinha, mas com o propósito da jardinagem de interior.

As plantas que tenho nas escadas precisavam de algum cuidado para além da rega habitual: umas precisavam de mais areia, outras de areia nova (a que tinha até então era demasiado barrenta e, de tempos a tempos, com a rega, acabava por ficar sempre muito compacta), outras de cortar as folhas velhas e uma precisava que separasse os rebentos para um vaso novo. Num dos vasos a precisar da troca de areia a flor estava um pouco fraca e, portanto, teria ainda mais essa intervenção.

Coincidência ou não, durante a semana apareceu-me nos feeds do Facebook um vídeo que alguém partilhou sobre um adubo natural caseiro (rico em cálcio e potássio, segundo o mesmo) que guardei para então experimentar no fim de semana, pois já previa reservar algum tempo para esta tarefa.

Borras de 5 cafés
Casca de 1 banana
Casca de 5 ovos
Água q.b.

No liquidificador coloquei a casca da banana, as borras do café, as cascas de ovo, a água e triturei o tempo suficiente para desfazer as cascas o mais finamente possível, reservando numa tigela.

Como me pareceu que tinha quantidade suficiente para mais do que um vaso, comecei pela flor mais fraca e depois passei aos vasos seguintes. Aproveitei que ia mexer e trocar as areias para colocar o adubo o mais perto das raízes, acabando também por misturá-lo com a areia.

Agora resta-me esperar para ver o comportamento e a reação das plantas a esta mudança, ficando a promessa, tal como aconteceu com as orquídeas, de partilhar o resultado (positivo, espero 😛 ).

Oh Elvas, oh Elvas… Beringela finalmente à vista

Parei finalmente para escrever. Andei a preparar e a planear um passeio de três dias pelo Alentejo português e Estremadura espanhola, para o fim-de-semana passado, e reparei agora que ainda não tinha partilhado a receita da beringela no forno que fiz há semanas.

Sobre o passeio posso dizer que foram três dias de fuga à rotina, com muitos pontos e locais a visitar, com muita cultura à mistura e um sol e temperatura ambiente maravilhosos para visitar estas regiões (se tivesse sido esta semana estava bem tramada com a chuva). Da preparação do roteiro faziam parte a lista de locais a visitar e respectivas coordenadas, impressões da vista de satélite do Google Earth de cada localidade com os pontos de interesse marcados e pequenos textos explicativos do que iríamos ver, para entendermos e aproveitarmos melhor o que estávamos a visitar. Contudo, não previ horários específicos para cada local, pois a ideia era ir visitando e gerindo o ritmo, mas sem grandes pressões.

A estadia das duas noites foi na Quinta de Santo António, na herdade da Amoreira, em Elvas, um hotel rural que a todos superou as expectativas. O staff era impecavelmente simpático e, assim que fizemos o check-in, fizeram questão de nos mostrar todos os espaços do hotel. O quarto era bastante confortável e tinham acesso directo para os jardins exteriores e, juntamente com as salas comuns, estão decorados com um estilo antigo, perfeitamente enquadrado na arquitectura da quinta. Na manhã de domingo, depois do pequeno almoço, e antes do check-out, fomos conhecer melhor os jardins exteriores do hotel, com as fontes, os pomares, a zona dos pássaros, do forno a lenha, a zona da piscina e ainda encontrei o burro que de manhã “avisava” que o dia já estava a nascer.

Saímos, portanto, na Sexta-feira de manhã em direcção a Montemor-o-Novo, atravessando Pegões e Vendas Novas. Depois visitámos Arraiolos, Evoramonte, Estremoz e Borba, chegando por fim ao hotel.


No Sábado fomos até Mérida, onde andámos e andámos a pé (um pouco mais de 8 km ao todo), conseguimos ver quase tudo o que há no centro da cidade e, no regresso, visitámos ainda Badajoz.


No Domingo visitámos Elvas, Villaneuva Del Fresno (que era para ser só de passagem, mas estava a haver o festival dos cogumelos e parámos lá para almoçar), Aldeia da Luz, Monsaraz e daí seguimos directamente para casa. Tinha ainda previsto visitar Reguengos de Monsaraz, Portel, Viana do Alentejo e Alcáçovas no percurso de regresso a casa, mas como fomos “aproveitar” os espaços exteriores do hotel e parámos em Villaneuva Del Frenso, acabou por não haver tempo para tanto.

Foram três dias de completa fuga à rotina e que deram para recarregar baterias e encher-me de motivação para as coisas caseiras.

Tal como disse de início, com tudo isto saltei a publicação da receita da beringela que, num almoço de Sábado, acompanhou uma bela dourada grelhada, receita esta que encontrei num vídeo que alguém partilhou no Facebook.

1 beringela
6 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho picado
3 colheres de sopa de salsa picada
Sal e pimenta qb
Queijo ralado qb
1 colher de café de pimentão doce

Numa tigela misturei o azeite, o alho, a salsa, o sal e a pimenta e deixei repousar durante mais ou menos 15 minutos para aromatiza o azeite.

Fiz uns golpes na beringela (sem a trespassar na totalidade) numa malha quadrangular, envolvi-a em papel de alumínio (deixando a zona dos golpes destapada) e coloquei-a num tabuleiro para ir ao forno. Reguei a beringela com metade da mistura do azeite, especialmente entre cada golpe, recheie com queijo, polvilhei com o pimentão doce e reguei com o resto do azeite.

Por fim aconcheguei o papel de alumínio que envolvia a beringela, coloquei o tabuleiro no forno, pré-aquecido a 180ºC, durante uns 30 a 35 minutos (dependendo do tamanho da “malha” cortada na beringela poderá levar mais ou menos tempo a cozinhar) e servi com a dourada grelhada e as azeitonas caseiras da colheita deste ano.

Era uma vez, a Strudel Pie…

Thanksgiving. Dia de Acção de Graças. Este é um dia tradicionalmente celebrado pelos americanos em Novembro, mas cada vez mais começamos a ouvir ou a ver, sobretudo através das redes sociais, pessoas que também por cá o celebram.

Há dois ou três anos, em conversa com a Sofia e com o Tiago, pensamos em celebrar também esta data, com direito a peru, acompanhamentos, tartes de de maçã, tudo o que uma mesa de thanksgiving tem direito. Contudo, o facto desta celebração ser relativamente próxima do Natal, os nossos planos acabavam sempre por sair furados.

Este ano decidimos que, desse por onde desse, teríamos o nosso momento de thanksgiving, quer fosse em Novembro ou Janeiro, ao almoço ou ao jantar. O importante mesmo era juntarmo-nos todos e celebrar isso mesmo.

E assim, num Domingo, já em 2017, conseguimo-nos sentar todos à mesa, juntamente com a Mariana, o André e a Oprah Winfrey (sendo que esta última, a nossa “padroeira” de thanksgiving, se juntou no formato de argolas para guardanapos que o Tiago providenciou), num almoço a meio da tarde, sem peru, mas com canelones vegetarianos, legumes assados no forno, pizza, tarte e gelado, para dar graças. Sim! Com momento de pequena oração de agradecimento antes da refeição e tudo.

Apesar de não ter referido nesse momento, uma das coisas pela qual estava mais grata nesse dia foi precisamente o facto de nessa manhã não ter rebentado com a minha cozinha. Uma das tomadas da cozinha, associada à instalação eléctrica do forno, tinha um cabo mal encaixado e assim que acendi o forno a tomada começou a aquecer, a protecção dos cabos eléctricos começou a derreter e comecei a ouvir barulhos (típicos de curto-circuito ou de faíscas). Por mero acaso, ainda estava na cozinha e dei conta que alguma coisa não estava bem.

Por teimosia, fiz o meu pai ir duas vezes lá a casa para ver o que se passava. Por sorte aconteceu tudo antes que a tomada incendiasse, pegasse fogo a um pano que se encontrava imediatamente acima e que estava igualmente muito perto do tubo de gás que alimenta o fogão.

Sim. Agradecimento foi a palavra de ordem do dia.

Tudo isto para contar a história de quando adaptei a tradicional tarte de maçã, recheando-a com um conteúdo idêntico ao do strudel, e criei a Strudel Pie ou tarte de Strudel (na verdade, talvez mais alguém terá feito o mesmo antes e portanto a criação não será inteiramente minha 😛 ).

2 massas quebradas
3 maçãs
1 colher de sobremesa (bem cheia) de farinha
6 colheres de sopa de açúcar
Canela
100g de miolo de noz
100g de miolo de amêndoa
100g de miolo de avelã

Numa tigela coloquei o açúcar, a farinha, a canela, o miolo de noz e de avelã partido em metades e as maçãs cortadas aos pedaços. Em seguida envolvi tudo e deixei repousar alguns minutos para que o açúcar em contacto com a maçã se transformasse numa espécie de xarope.

Durante esse tempo de repouso estendi as duas massas quebradas, coloquei uma no fundo de uma forma redonda para tartes e na segunda fiz alguns recortes com um cortador.

Por fim coloquei o recheio na forma, tapei com a massa recortada, uni o rebordo, decorei com os pedaços que tinham sobrado dos cortes e levei ao forno, pré-aquecido, durante 20-25 minutos.

Outono, abóboras e bolachas

Quando chega o Outono e, mais concretamente, do Dia de Ação de Graças (talvez mais conhecido por Thanksgiving) a página dos feeds da minha conta no Pinterest enche-se de tons de laranja, vermelho e castanho, artesanatos com folhas secas de árvores, perus, tartes e abóboras. Foi então que numa das minhas “buscas por inspiração” perto desta data, no ano passado, encontrei lá uma receita de bolachas de abóbora, aveia e pepitas de chocolate com um óptimo aspecto.

Como, por algum motivo, ainda não a tinha partilhado aqui, achei que podia ir buscar esta caseirísse ao “baú”, uma vez que nos encontramos em vésperas de Dia de Acção de Graças.

Em Dezembro/Janeiro, quando as abóboras chegaram lá a casa decidi então experimentar a tal receita. No que concerne o aspecto, devo dizer que as minhas ficaram aquém da imagem que acompanhava a receita, mas estavam bem saborosas.

E ainda consegui arrecadar um “da próxima vez que fizeres estas bolachas diz-me, que eu compro amendoins para misturares na massa e assim ficam a 100%” por parte do meu pai, o que até é um bom elogio, partindo do princípio que ficaram boas o suficiente para repetir.

E assim deixei duas notas mentais para a próxima vez que fizer estas bolachas:
– juntar amendoins;
– a textura e consistência são as ideais para quem gosta de bolachas e biscoitos mais moles. No meu caso, que prefiro mais rijos e crocantes, talvez terei de alterar o tempo de cozedura no forno ou as quantidades de ingredientes secos.

2 + 1/2 chávenas de farinha
1 + 1/2 chávenas de aveia
1 colher de chá de fermento
3/4 colher de chá de sal
1 + 3/4 colher de chá de canela
1/4 colher de chá de noz moscada
1/4 colher de chá de gengibre
1 chávena de manteiga
1 + 1/3 chávena de açúcar
1 Ovo
1 colher de chá de extrato de baunilha
1 chávena de polpa de abóbora
1 chávena de pepitas de chocolate

Numa tigela juntar os ingredientes secos: o açúcar, a aveia, a farinha, o fermento, o sal, a canela, a noz moscada e o gengibre. Depois de bem mexido adicionar a manteiga, a polpa de abóbora previamente cozida, escorrida e já à temperatura ambiente, os ovos e o extracto de baunilha.

Por fim, adicionar as pepitas de chocolate, retirar pequenas porções da massa e dispor em “montinhos” num tabuleiro forrado com papel vegetal, colocando no forno (já aquecido a 275ºC) durante cerca de 15-20 minutos.