Wraps (ou rolos) de massa de arroz

Ontem o jantar não foi de todo de origem portuguesa: wraps (ou rolos, não sei qual o melhor termo a aplicar) de massa de arroz. Se a minha pesquisa não me falha (e corrijam-me se estiver errada) este é um prato originalmente vietnamita e que experimentei pela primeira vez numas férias que a amiga Sofia passou comigo e com a minha família no Algarve. Esta é uma óptima escolha para refeição no Verão por ser leve e fresca, mas ontem, e em pleno Inverno, repeti-a pela segunda vez.

Não é com frequência que encontro as folhas de arroz nos super e hipermercados que habitualmente frequento (talvez só nas semanas temáticas do Lidl), mas no final do ano passado tive oportunidade de passar no Jumbo de Setúbal (no, agora, Centro Comercial Allegro) e despendi de uns largos minutos na secção dos sabores do mundo e na secção dos alimentos avulso. Peço já desculpa pela publicidade, mas se há motivo que eu gosto de ir a este hipermercado, mesmo que vá muito raramente, são estas duas secções, pois “valem muito a pena” não só pelo preço, mas também pela variedade e, na secção a avulso, pela opção de poder levar apenas e especificamente a quantidade que necessito.

Mas voltando aos rolos. Estes são muito simples e rápidos de se fazer, e as combinações de recheio são variadíssimas. Ontem optei por recheá-los com carne grelhada e com os legumes que já tinha em casa e em relação aos molhos servi duas opções: molho de soja (diluído num pouco de água) e molho agridoce caseiro que adaptei de uma receita do jornal “Dica da Semana” (pois já a faço com as quantidades mais ou menos “a olho”).

Para os rolos:

Água q.b.
12 folhas de arroz
4 bifes de frango
1/2 lata de rebentos de feijão mungo
1 cenoura cortada em palitos
5 folhas de alface
1 tomate cortado em tiras

Num prato largo, e com alguma profundidade, coloquei a água para hidratar a folha de arroz. Ao ficar maleável, retirei a folha da água e pousei numa tábua, colocando a alface, a carne, a cenoura, os rebentos e o tomate (mais junto à parte de baixo).

Dobrei as laterais da folha para cima do recheio, depois a ponta de baixo e por fim, fui enrolando até ao topo.

Repeti todos estes passos para as restantes folhas e servi os vários rolos assim que terminei.

Para o molho agridoce:

1/2 chávena de polpa de tomate
2 colheres de chá de vinagre
2 colheres de chá de açúcar
1 pitada de sal

Coloquei tudo num tacho ao lume, mexendo sempre, e deixei ferver cerca de 30 segundos. Depois foi só esperar que arrefecesse e servi.

Anúncios

Risoto, curgetes e ovos escalfados

Como já tinha contado numa publicação anterior, regressei à cozinha nos dias de férias que tirei entre o natal e o ano novo e aproveitei para experimentar uma receita que há muito já tinha marcado num livro que me ofereceram. Não sei se também têm este hábito mas, de tempos a tempos, gosto de folhear os livros de receitas de culinária e marcar com um pedaço de papel as receitas que, eventualmente, gostaria de experimentar.

Assim, peguei no livro “Cozinha para dias felizes”, da Isabel Zibaia Rafael, já com as várias receitas marcadas, e decidi experimentar para o jantar desse dia o risoto de curgete com ovo escalfado.

Na casa dos meus pais o risoto teve um longo processo de aceitação. A ideia de comer arroz sem um bife ou uma posta de peixe foi a maior entrave, mas ainda assim consegui levar a experiência para a frente, com um risoto de camarão e cogumelos.

Tenho a certeza que se o Gordon Ramsay o tivesse provado teria mandado tudo fora por não estar no ponto (duvido que na minha pouca experiência de risotos tenha acertado logo à primeira) mas ainda assim arrecadei um boa avaliação do júri cá de casa (leia-se pai e mãe). A partir daí os risotos tiveram carta branca para sair do fogão para a mesa, até mesmo o risoto com curgete e ovos escalfados.

350 g de arroz para risoto
1 cebola pequena picada (originalmente seriam 2 chalotas)
1 dl de azeite
1 dl de vinho branco
300 g de curgete ralada com a casca
9 dl de caldo de legumes
1 colher de sopa de manteiga sem sal
1 a 2 ovos escalfados por pessoa
queijo ralado q.b. (não estava na receita originalmente)
sal, pimenta e cebolinho picado q.b.

Numa frigideira grande refoguei a cebola e o azeite. Adicionei o arroz e fui mexendo para fritar um pouco, juntando depois o vinho.

Acrescentei a curgete ralada, o sal e aos poucos fui adicionando o caldo de legumes, consoante a necessidade, em lume brando.

Enquanto o arroz terminava de cozinhar, escalfei os ovos à parte num tacho.

Por fim, retirei o arroz do lume, juntei a manteiga e o queijo ralado e, após mexer bem, servi com os ovos escalfados, o cebolinho picado e a pimenta moída.