Feliz 1º Aniversário!

Um ano! A Carolina Caseirinha faz hoje um ano. Confetis no ar e línguas da sogra (penso que era assim que se chamavam) a tocar de forma imaginária. Sim, de forma imaginária porque estes últimos dias têm sido uma corrida constante e não consegui comprar efectivamente confetis ou línguas da sogra. Mas não podia passar esta data sem comemoração alguma e por isso, enquanto estava na sala de espera do Hospor, rabisquei um post-it o que seria a parte caseira da “festa”, já que o pastel de nata foi comprado (por coincidência pela minha mãe) num supermercado.

Um ano de Carolina Caseirinha… nossa, como o tempo passa depressa! E queiramos que no próximo ano a festa seja mais “de arromba” do que esta 😛

Entretanto, e aproveitando ainda que o dia não acabou, desejo um Feliz dia da Carolina a todas as Carolinas ao som de uma música de Seu Jorge, que enche a alma (e o ego) a qualquer Carolina 😉

Anúncios

Um falhanço de crescer água na boca

Nem todas as experiências têm um final feliz na minha cozinha. Esta parecia tão apetecível no prato, mas depois da primeira dentada…

No dia 1 de Maio aproveitei o feriado para fazer uma receita cujo resultado final, em tempos, aparecia com muita frequência nos meus feeds de notícias no Facebook: uma estrela de Nutella. Andei à procura de uma receita no Pinterest e acabei por usar uma que supostamente seria de massa de brioche (esta), com os seguintes ingredientes:

500 gr de farinha
2 ovos
60 gr de açúcar
180 ml de leite (usei só 100 ml)
7 gr de fermento de padeiro
pitada de sal
raspa da casca de uma laranja

Juntei todos os ingredientes, seguindo todos os passos. Só não fui totalmente fiel à receita original na quantidade de leite. Supostamente teria de usar 180 ml mas depois de adicionar os primeiros 100 ml aos ingredientes e amassar, achei que se juntasse o restante iria ficar com a massa demasiado húmida para depois conseguir esticá-la. E por isso fiquei-me pelos 100 ml.

Deixei a massa levedar uma hora e depois estiquei duas porções da massa, cortando com uma faca (e usando um prato redondo como referência) 2 circunferências iguais. Barrei uma delas com o creme de avelãs, que ainda tinha do dia dos croissants, coloquei a outra circunferência por cima e comecei a fazer golpes (relativamente) simétricos em redor da massa, sem chegar ao centro.

Em cada “triângulo” recortado torci duas ou três vezes, um triângulo para esquerda, o seguinte para a direita e assim sucessivamente. Depois disso coloquei no forno durante uns 20 a 30 minutos.

Com os dois pedaços de massa excedente, de onde tinha retirado as circunferências, juntei ambas, estiquei em forma rectangular (ou o mais parecido a isso), barrei com o creme de avelãs e, pegando num dos lados, comecei a enrolar como se fosse uma torta. Por fim cortei a massa enrolada ao meio em quase todo o seu comprimento, torci cada pedaço cortado e tentei fazer uma trança/rosca (confuso, não? :P) para colocar também no forno.

Não sei bem qual terá sido o meu erro fatal para o falhanço: não ter colocado a quantidade de leite devida ou talvez a receita já estivesse condenada de início. E digo falhanço porque a massa ficou (digamos…) seca ao ponto de embaçar, principalmente quem se arriscasse a dar uma dentada de encher a boca. Quanto ao aspecto, a estrela agradava tanto à vista que até dava orgulho, já a trança desmaiou um pouquinho enquanto esteve no forno e ,portanto, não parecia tão apelativa quanto esperava.