Uma dona de casa nada desesperada (ou será que….)

Parece-me que passou uma eternidade desde a última publicação, por isso na sexta-feira anunciei na página do Facebook que no fim de semana iria fazer algo para quebrar o ciclo de falta de acção por estes lados. Desta vez não tinha nada específico para fazer ou experimentar e, por isso, peguei no livro “Donas de Casa Desesperadas – O livro de cozinha” que a Sofia e o Tiago me ofereceram no Natal, e decidi que estava na altura de o estrear.

Tecnicamente também eu sou uma dona de casa. Digo tecnicamente porque não confecciono diariamente as minhas refeições, uma vez que tenho a enorme ajuda da minha mãe que se encarrega desta tarefa (pontualmente também cozinho e as receitas vêm aqui parar), mas sou responsável por toda a limpeza e organização da minha casa. Por isso, tecnicamente, sou uma dona de casa, mas não me acho desesperada (a não ser quando acaba o fim de semana e a lista das tarefas parece ter ficado na mesma).

Talvez um dia venha a ser caseirinha ao nível Bree Van de Kamp, mas para já fiquei-me pela experiência do bolo de chocolate da Susan Mayer. E não é que esta receita vem mesmo na hora? É que segundo a Vanda Miranda, da Rádio Comercial, hoje é dia do bolo de chocolate e por aqui ainda há umas fatias. 😉

Bolo ou queques de chocolate (pág. 124)

2 chávenas de farinha
1/2 chávena de cacau em pó
1 pitada de sal
1 e 1/2 colher de chá de fermento
12 colheres de sopa de manteiga (eu cortei para metade)
1 e 1/2 chávena de açúcar
3 ovos
2 colheres de chá de extracto de baunilha
1 chávena mais duas colheres de sopa de leite

Numa tigela misturei a farinha, o cacau, o sal e o fermento e reservei. Noutra tigela bati a manteiga, durante 4 a 5 minutos até ficar suave, juntando depois, de cada vez, o açúcar, os ovos, o extracto de baunilha, metade dos ingredientes secos misturados anteriormente, o leite e por fim a metade que restou dos ingredientes secos.
Coloquei na forma “do buraco” (como apelidamos cá por casa), previamente untada e polvilhada com farinha, e levei ao forno a 180ºC.

Já nasceu, já nasceu!

Com a entrada num novo ano, é muito habitual ouvir-se a expressão “ano novo, vida nova”. É também com esta expressão que caracterizo a minha entrada no ano de 2015, não pelas “resoluções” que pretendo implementar neste novo ano, mas porque, bem no final de 2014, nasceu a minha sobrinha e por isso há agora uma vida nova na minha vida. 🙂

Com o Natal, o Ano Novo, as visitas à maternidade e uns dias de férias que aproveitei para organizar algumas coisas em casa, só agora me apercebi que ainda não publiquei o resultado final do restauro da cama de grades. Por isso, aqui está agora.

Ainda relacionado com esta nova adição à família, outra coisa que fiz durante os 9 meses, e que deu um resultado muito giro, foram as fotografias da barriga. A partir das 12 semanas fotografava a minha irmã de perfil, a medição da barriga (com uma fita), umas quantas poses dela e do meu cunhado e repetíamos semana sim, semana não. A ideia surgiu depois de ver no Pinterest ou no Facebook (já não me recordo) uma montagem com 9 fotografias, uma por cada mês, da barriga de uma futura mamã. Não sei se quando a partilhei com os (naquele tempo) futuros papás eles terão pensado “olha agora… já tinha pouca coisa que me dá trabalho e agora também tenho que brincar aos fotógrafos”, mas no final gostaram bastante (acho! :P) de ver a evolução da barriguita.

Agora há vontade de seguir o mesmo esquema, mas com a pequenina cá fora. Só falta descobrir se ela terá paciência para esta tia de máquina fotográfica sempre pronta 😛